Missão da China na Lua gera surpresa e curiosidade ao surgir as primeiras novidades

Sementes levadas para a Lua pela missão chinesa surgiram, diz a Administração Nacional do Espaço da China. Marca a primeira vez que qualquer matéria biológica cresce na Lua e está sendo vista como um passo significativo para a exploração espacial a longo prazo. Essa é considerada a primeira missão a pousar e explorar o lado distante da Lua, de costas para a Terra.

As plantas foram cultivadas na Estação Espacial Internacional antes, mas nunca na Lua. A capacidade de cultivar plantas na Lua será parte integrante de missões espaciais a longo prazo, como uma viagem a Marte, que levaria cerca de dois anos e meio. Isso significaria que os astronautas poderiam coletar seus próprios alimentos no espaço, reduzindo a necessidade de voltar à Terra para reabastecer.

O caminhão de aterrissagem da Lua chinesa, segundo notícias publicadas recentemente na mídia internacional, carregava entre seus solos de carga contendo sementes de algodão e batata, fermento dentre outras. O experimento tem como objetivo formar uma mini biosfera – um ambiente artificial e autossustentável. Essa experiência com a semente foi projetada para testar a fotossíntese e a respiração – processos em organismos vivos que resultam na produção de energia. Todo o experimento está contido em uma lata de 18 cm de altura e 3 kg, projetada por 28 universidades chinesas. Os organismos internos têm um suprimento de ar, água e nutrientes para ajudá-los a crescer. Mas um dos desafios, dizem os cientistas chineses, é manter a temperatura favorável para o crescimento quando as condições na Lua oscilam descontroladamente entre -173ºC e 100ºC ou mais.

O primeiro experimento biológico da humanidade na lua causou curiosidade ao constatar que as sementes de algodão estavam em processo de desenvolvimento, ou seja, crescendo. Isso oferece novas possibilidades para os astronautas no futuro, tentando cultivar suas próprias plantações na Lua. Além disso, existe um grande interesse em usar a Lua como plataforma, especialmente para voos para marte, visto que é relativamente perto da terra. Portanto, aprender sobre o crescimento dessas plantas em um ambiente de baixa gravidade permitiria estabelecer as bases para possíveis projetos sobre estabelecimento de base espacial.